Coimbra  12 de Novembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Campeão: “Histórias (d)escritas” estão em novo livro de Casimiro Simões

25 de Outubro 2019

O novo livro de Casimiro Simões, especialmente dedicado a António Arnaut e Louzã Henriques, falecidos em 2018 e 2019, abre com um poema do cantor José Mário Branco e tem prefácio de Teresa Alegre Portugal, que apresenta a obra na Lousã.

“Pessoas, Pensamentos e Palavras”, título abreviado, ironicamente, pelo autor para PPP, vai ser apresentado por Teresa Portugal, amanhã (sábado), às 15h00, durante um programa cultural na Filarmónica Lousanense com que o jornalista assinala também o seu 60.º aniversário.

Nascido em 26 de Outubro de 1959, no Casal dos Rios, concelho da Lousã, Casimiro Simões está a completar igualmente 30 anos ao serviço da Agência Lusa na Região Centro.

A socialista Teresa Portugal, que foi deputada e vereadora da Cultura na Câmara de Coimbra, usa da palavra numa sessão em que intervêm ainda o autor e o bibliotecário Carlos Marta Ferreira, de Miranda do Corvo, seu antigo companheiro no Liceu da Lousã.

A iniciativa compreende um momento musical com Manuel Rocha e Luís Garção, membros da Brigada Victor Jara, além de João Queirós e Ramiro Simões.

Com esta PPP, que inclui 70 textos, entre crónicas, contos, sátiras, outras ficções e ainda um poema alusivo aos 45 anos do 25 de Abril, o antigo director do jornal Trevim evoca dezenas de figuras, públicas e menos conhecidas, maioritariamente ligadas a Coimbra, Lousã, Penela, Miranda do Corvo e Castanheira de Pêra.

As personagens centrais da colectânea são o advogado e escritor António Arnaut, oriundo de Penela, que há 40 anos foi o principal obreiro do Serviço Nacional de Saúde, e o médico e etnólogo Manuel Louzã Henriques, natural da Serra da Lousã, impulsionador do Museu Etnográfico da Lousã.

Contudo, Casimiro Simões rende homenagem a um conjunto mais vasto e diversificado de pessoas, como o ensaiador de ranchos João Arranca, os jornalistas João Mesquita e Américo Mascarenhas Estrelinha, os antigos provedor do INATEL e delegado desta instituição em Coimbra, Kalidás Barreto e João Fernandes, o bancário Fernando Velez, o eurodeputado do PS Fausto Correia, o antigo director do jornal Mirante Augusto Paulo, os advogados Alberto Vilaça e Luís Carlos Silva, o catedrático de Direito Orlando de Carvalho e o cantor José Afonso.

Amigo do autor de “Grândola, Vila Morena”, que teria feito 90 anos em 02 de Agosto, José Mário Branco, com o poema “Mudar de vida”, associa-se à iniciativa de distinguir, entre outros, dois companheiros seus da cadeia.

O compositor conheceu Louzã Henriques e Carlos de Almeida há mais de 50 anos, quando os três estavam presos por actividades contra a ditadura de Salazar.

Histórias verdadeiras e de ficção

São ainda recordados, no livro “Pessoas, Pensamentos e Palavras (PPP), alguns a título póstumo, os tocadores de concertina e gaita-de-beiços Manuel Serra e Joaquim Henriques Amante, o estivador Adriano Nunes, o sapateiro Juvenal Pinto, os luso-brasileiros Ti Zé Joana, padre Miguel Lencastre, António César Fernandes, Miguel dos Pregos e os sobrinhos deste empresário, Nelson e Teresinha, o antigo emigrante nos Estados Unidos Américo Carapinha, o antifascista Manuel Ramalho Gantes, a professora Palmira Sales e seu irmão, o carteiro e músico José Adelino, além dos pais e dois irmãos mais velhos do jornalista da Lusa: Joaquim e Maria da Conceição, José Augusto e Augusto Simões.

Na juventude, Manuel Gantes, Miguel Lencastre e José Mário Branco viveram na República dos Kágados, a mais antiga casa comunitária de estudantes de Coimbra, onde também Casimiro morou nos anos 80 do século XX, enquanto aluno da Faculdade de Direito.

O livro abrange histórias com o docente universitário José Luís Câmara Alves e outros kagadais, designadamente José Lestra (advogado), Custódio Pinto Montes (juiz-conselheiro jubilado), Manuel Gaspar (professor), Carlos Santarém (ex-director da Biblioteca Municipal de Coimbra), Lusitano dos Santos (urbanista e catedrático jubilado da Universidade de Coimbra), José Maria Cruz Santos (professor e antigo comandante dos Bombeiros Sapadores da cidade), Humberto Rocha (médico) e José Lages (jurista), personagens reais em diversas prosas.

“Pessoas, Pensamentos e Palavras” é uma selecção de histórias verdadeiras e várias de ficção, entre inéditas ou já editadas em livros e outras publicações, com destaque para os jornais “Campeão das Províncias”, Diário As Beiras, Notícias de Coimbra, Trevim e o extinto Jornal de Coimbra.

Há também textos sobre política internacional, com os quais Casimiro Simões satiriza, por exemplo, a relação do Reino Unido com Portugal e a União Europeia, a situação no Brasil e nos Estados Unidos da América, com a ascensão de Bolsonaro e Trump ao poder.

Concebida pela jovem artista gráfica Mariana Domingos, da Lousã, a capa conta com contributos na fotografia da grega Georgia Bounia, bem como de Luís Garção Nunes e Fernando Moura.

A Companhia Marimbondo e Maria Estátua promovem a animação no exterior da sala de ensaios da Filarmónica Lousanense.

O programa inclui uma breve leitura de textos, por Francisco Paz e Zé Nobre Quaresma, e encerra com um “Beirão de Honra”.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com