Coimbra  5 de Março de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Câmara junta forças vivas de Coimbra para garantir o futuro Campus da Justiça

1 de Fevereiro 2024 Jornal Campeão: Câmara junta forças vivas de Coimbra para garantir o futuro Campus da Justiça

A Câmara de Coimbra pretende juntar as forças vivas da cidade num evento no próximo dia 20 para se abordar o futuro Campus da Justiça e garantir um “compromisso solene” das forças políticas quanto à sua construção.

No dia 20, no Convento São Francisco, é promovido o evento “Que rumo para a Justiça em Coimbra – O novo Campus da Justiça”, iniciativa que junta Câmara de Coimbra, Universidade de Coimbra (UC), Tribunal Judicial da Comarca de Coimbra e o Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF), foi anunciado esta quinta-feira, em conferência de imprensa.

O evento terá um momento de manhã com debate e exposição de trabalhos do Departamento de Arquitectura (DArq) da UC, procurando reflectir sobre soluções técnicas para o futuro Campus da Justiça de Coimbra, investimento há muito reclamado pela cidade, cujos actuais equipamentos judiciais se encontram espalhados e representam um custo ao Governo de cerca de 800 mil euros anuais em rendas.

Já na parte da tarde, o evento pretende envolver os candidatos das várias forças políticas que concorrem pelo círculo de Coimbra às legislativas de 10 de Março.

“Queremos que saiam [do evento] compromissos solenes das diferentes forças políticas, que depois sejam traduzidos em atitudes práticas”, disse o presidente da Câmara de Coimbra, José Manuel Silva, eleito pela coligação Juntos Somos Coimbra, realçando que a cidade não pode continuar à espera de que a solução se materialize.

O autarca recordou que há uma resolução do Conselho de Ministros do Governo cessante, aprovada no Verão de 2023, que prevê o investimento no novo campus, mas considerou que não é possível ficar tranquilo relativamente ao futuro do Palácio da Justiça de Coimbra.

Apesar de haver uma resolução, José Manuel Silva salientou que o Município, desde então, não tem conhecimento de nenhuma iniciativa por parte do Governo para se desenvolver ou contratar um projecto para que o Campus da Justiça possa ser uma realidade.

Para o autarca, é altura de se intensificar o debate e colocá-lo na ordem do dia, envolvendo diferentes perspectivas, seja a arquitectónica, a científica ou a do Direito e da Justiça.

José Manuel Silva recordou que, recentemente, um aluno do Darq teve 20 valores com uma dissertação de mestrado que avaliava uma solução global para o Campus da Justiça, o que chamou a atenção da Câmara de Coimbra para tentar integrar e promover um debate arquitectónico e urbanístico sobre aquele futuro equipamento, que possa envolver e integrar as diferentes propostas que têm sido desenvolvidas no Darq.

“Esses trabalhos são inspiradores e demonstram que não há falta de soluções”, notou, defendendo que o Governo deveria aproveitar o próprio Plano de Recuperação e Resiliência para avançar de forma concreta com o futuro Campus da Justiça.

O Reitor da Universidade de Coimbra, Amílcar Falcão, também presente na conferência, vincou que acompanha as preocupações e a necessidade de reflexão do Município, salientando a necessidade de o futuro Campus da Justiça passar a ser uma realidade.

“Acho que estamos todos unidos em criar melhores condições para os tribunais em Coimbra. É essencial não só pela dispersão que existe agora, mas porque Coimbra tem todas as condições para acolher de forma digna e criteriosa todos os processos que envolvem o poder judicial”, disse, criticando aquilo que considerou ser um impasse inaceitável quanto ao futuro daquele equipamento.

Amílcar Falcão espera que o evento possa também indicar “possíveis soluções” para a cidade sair da situação em que se encontra “há muitos anos”.