Coimbra  17 de Janeiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Câmara de Coimbra recorda “forte ligação” de Eduardo Lourenço à cidade

1 de Dezembro 2020 Jornal Campeão: Câmara de Coimbra recorda “forte ligação” de Eduardo Lourenço à cidade

A Câmara Municipal de Coimbra recordou hoje, numa nota de pesar, a “forte ligação” de Eduardo Lourenço à cidade, num “dia triste para Coimbra e para Portugal” pelo falecimento do filósofo, professor, ensaísta, escritor e interventor cívico.

Considerando Eduardo Lourenço como um dos pensadores e intelectuais mais proeminentes da cultura e da política contemporânea portuguesa e europeia, a autarquia lembra que a sua ligação a Coimbra remonta aos anos 40 do século XX, quando ingressa na Faculdade de Ciências e depois na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, onde encontrou um ambiente aberto e propício à reflexão cultural que sempre haveria de prosseguir. Conclui a licenciatura em Ciências Histórico-Filosóficas, com a tese “O Sentido da Dialéctica no Idealismo Absoluto”, e começa depois a leccionar, como assistente do professor Joaquim de Carvalho.

Com 26 anos publica o seu primeiro livro, “Heterodoxia”, que reúne parte da sua tese de licenciatura num dos mais radiosos discursos ensaísticos da literatura portuguesa, e começa a colaborar também com o Diário de Coimbra, com “Crónicas Heterodoxas”.

Galardoado com os mais reputados prémios literários e distinções nacionais e internacionais, entre os quais Doutor Honoris Causa pela Universidade de Coimbra, Eduardo Lourenço recebe a Medalha de Ouro da Cidade de Coimbra numa cerimónia que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho, a 22 de Junho de 2001.

Em 2015, Eduardo Lourenço doou à Câmara Municipal de Coimbra um vasto e valioso património documental da sua biblioteca particular, em homenagem à cidade onde estudou, leccionou, partilhou ideias e ideologias. Esta colecção, constituída por mais de 3.000 documentos, como monografias e periódicos da sua autoria e de autores estrangeiros, encontra-se hoje na Casa da Escrita do Município de Coimbra, na Sala Eduardo Lourenço, inaugurada para esta ocasião em 28 de Novembro de 2015.

O presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, lamenta a morte de Eduardo Lourenço, lembrando “o seu brilhantismo, a sua generosidade, simplicidade e combatividade”. “Eduardo Lourenço foi um notável cidadão. A partir de Coimbra, com a liberdade que nos caracteriza, interpretou e reflectiu sobre Portugal, pensou e interrogou sobre a Europa e o Mundo, e deixou-nos um património que durante séculos guiará o pensamento filosófico sobre a sociedade contemporânea, que está pela sua generosidade à guarda da Câmara Municipal de Coimbra e que poderá ser consultado na Casa da Escrita”, salienta o autarca.

A bandeira do Município está colocada a meia haste.

Eduardo Lourenço, nascido a 23 de Maio de 1923, em Almeida, na Beira Alta, faleceu esta terça-feira, aos 97 anos.