Coimbra  24 de Novembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Câmara de Coimbra analisa ligação da ciclovia a Bencanta e a pólos do IPC

7 de Novembro 2020 Jornal Campeão: Câmara de Coimbra analisa ligação da ciclovia a Bencanta e a pólos do IPC

A Câmara de Coimbra vai criar um troço da ciclovia para ligar o Açude-Ponte a Bencanta, promovendo o uso da bicicleta ou outro meio de mobilidade suave e contribuindo para a estratégia de criar uma cidade mais saudável e sustentável.

Esta nova ligação foi pensada, sobretudo, para os jovens e estudantes, já que irá interligar vários pólos do Instituto Politécnico de Coimbra (IPC), depois do projecto ter sido discutido e articulado entre o presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, e o presidente do IPC, Jorge Conde.

Este novo troço da ciclovia vai ter início no Açude-Ponte, na margem esquerda, seguindo em canal dedicado em direcção à rotunda do Almegue. Seguirá, depois, utilizando parte da via já existente, que constitui um troço abandonado da antiga N341, sendo posteriormente analisada, em função do sucesso da ciclovia junto de potenciais utilizadores, a viabilidade da construção de uma passagem superior ciclável, paralela à N341, que evite a partilha com viaturas automóveis nestes 100 metros.

Já no cruzamento para as passagens inferiores rodoviárias sob a linha férrea e a N341, os ciclistas poderão optar por passar sob a N341 e dirigirem-se para a Escola Superior Agrária ou seguirem para o troço da ciclovia paralelo à N341. Este troço dará acesso às passagens superiores para peões da Escola Superior Agrária e de Bencanta, que serão alteradas, com a introdução de calhas nas escadas que permitam a circulação das rodas das bicicletas, facilitando a sua ascensão.

A ciclovia de Bencanta será, maioritariamente, em faixa ciclável exclusiva ou partilhada com percursos pedonais existentes. Uma vez que a ciclovia se implanta em terrenos adjacentes a estradas nacionais, propriedade da Infraestruturas de Portugal, SA., os serviços municipais propõem o envio do estudo prévio a esta entidade para emissão de parecer.

Este novo projecto vai permitir a ligação ciclável do polo de Bencanta do IPC ao Açude-Ponte, onde confluem vários troços da rede de ciclovias de Coimbra, nomeadamente em direcção à margem direita (estação ferroviária Coimbra B) e em direção à avenida De Conimbriga (prolongando-se até ao Parque Verde do Mondego, Vale das Flores e Portela), o que permite a realização desta interligação entre os vários pólos do IPC.

No Açude-Ponte está, ainda, prevista a ligação a um novo troço de mais 11 km de ciclovia que seguirá pela margem esquerda do rio Mondego até à Figueira da Foz. Este percurso, aprovado pelo Executivo municipal em Fevereiro deste ano, vai seguir junto à Estrada do Campo, até ao limite do concelho com Montemor-o-Velho, onde se irá ligar ao restante percurso ciclável até à costa atlântica na Figueira da Foz, numa extensão total de cerca de 46 km.

Com este projecto Coimbra fica com cerca de 32 km de ciclovias interligadas entre si.

Actualmente, já é possível fazer uma viagem, praticamente, ininterrupta e em segurança, desde a estação ferroviária de Coimbra B até ao Vale das Flores e à Portela. Ao todo, são já 20 km de uma rede que está a valorizar a paisagem urbana da cidade, colocando ao usufruto da população local panoramas até aqui desconhecidos.

Este é um investimento do Município de Coimbra superior a 2,2 milhões de euros, incluído no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) e financiado por fundos comunitários.