Coimbra  15 de Junho de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Bruno Paixão reflecte sobre o tempo das mentiras

18 de Janeiro 2021 Jornal Campeão: Bruno Paixão reflecte sobre o tempo das mentiras

Bruno Paixão Livro

Bruno Paixão tem um novo livro de crónicas, que compila reflexões sobre cultura, comunicação, jornalismo, política e sociedade. São três anos de reflexões que o autor partilha com o público.

“São labirintos do nosso tempo que procuro desvendar, com um olhar curioso e com a determinação de aprofundar os temas para lá do óbvio”, afirma Bruno Paixão, assegurando que, em alguns casos, expõe “textos crus”, de teor mais literário, “porque os livros são reflexos de vida e nela, muitas vezes, também nos perdemos na divagação do olhar”.

Este “Fake Time is not My Time” é uma provocação jornalística, que alude à expressão Fake News. O nome vem escrito em inglês embora o livro seja todo ele em português. Traduzido à letra, o título significa que “o tempo das mentiras não é o meu tempo”. Bruno Paixão conta que “precisava de algo pontiagudo e perturbador, daí que não tenha hesitado na provocação do título em língua estrangeira”. Apesar disso, assegura que é “profundamente devoto à boa língua portuguesa”.

Esta obra dá sequência a um livro anterior designado “Prime Time is My Time”, lançado em 2017, e também ele com alusão a uma expressão jornalística universal. A razão parece evidente: Bruno Paixão foi jornalista, é investigador e doutorado em Ciências da Comunicação, com dezenas de livros e artigos académicos publicados nesta área.

Este livro, impresso a cores, conta no seu interior com ilustrações de José Vicente e tem várias partes lidas por figuras públicas. Através de um ‘qr code’ tem-se acesso a vídeos gravados por 22 personalidades que se associaram ao lançamento, como é o caso do humorista Nilton, da modelo Diana Pereira, do cantor José Cid, do publicitário Edson Athayde, do escritor Joel Neto, da presidente do Sindicato dos Jornalistas Sofia Branco, ou da ex-política Joana Amaral Dias.

Este livro pode ser adquirido através do site da editora Minerva Coimbra, ou da página www.brunopaixao.pt, aqui com preço de lançamento de 16,47 euros, ou no site da Amazon, por 18,50 euros.

Ainda sem data de lançamento, o primeiro romance de Bruno Paixão, cujo assunto não é revelado, poderá sair nos próximos tempos, visto que foi escrito durante a pandemia e, como refere o autor, “está ainda preso a mim, à espera de ganhe coragem para me libertar dele”.

Corrupção e escândalos

Bruno Paixão nasceu em Coimbra, em 1975. Professor do Ensino Superior, é doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de Coimbra. Na sua actividade académica debruça-se, desde há vários anos, sobre o tema da cobertura da corrupção e do escândalo político. É autor e co-autor de vários livros e artigos académicos sobre o assunto. É investigador integrado do ICNOVA (Universidade Nova de Lisboa) desde 2010, e do CEIS20 (Universidade de Coimbra).

Cronista regular na imprensa, é autor do livro Prime Time is My Time (2017), a que este livro dá sequência.

Exerce actualmente, por nomeação, a função de director da Fundação INATEL em Coimbra. Foi jornalista de Imprensa, membro da Direcção da Associação Portuguesa para o Estudo da Propriedade Intelectual e fundador da publicação universitária Enviado Especial de defesa dos Direitos Humanos.

Bruno Paixão presidiu à Organização do Congresso Nacional de Jovens Jornalistas, à Direcção Nacional da Associação Nacional de Jovens Jornalistas e à Comissão Executiva do Congresso “pensar Portugal”, iniciativa que contou com o alto patrocínio do Presidente da República.