Coimbra  26 de Maio de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Bombeiros de Alvaiázere festejam 79 anos com quartel renovado

9 de Março 2019

O lema “vida por vida” é o que move os perto de 87 bombeiros voluntários de Alvaiázere, que este domingo (10), celebram um novo aniversário e este ano será especial com a inauguração do renovado quartel e com mais uma viatura na sua frota.

Os 79 anos da Associação Humanitária, assinalados a 07 de Março mas só comemorados amanhã (10), vão reunir os órgãos sociais, corpo activo e também sócios e amigos dos bombeiros, numa festa que será grandiosa pelos “presentes” tão desejados e que, finalmente, vêm a luz do dia este ano.

“Era uma aspiração de há muito tempo e, por isso, é motivo de muita alegria para todos”, afirma Joaquim Simões, presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alvaiázere (AHBVA).

O responsável fala, concretamente, da inauguração do renovado e ampliado quartel, que sofreu obras de qualificação profundas, quer no interior como no exterior. Desde as camaratas, com novo mobiliário, à zona de higiene, salas de formação, secretaria até ao facto de todo edifício estar, agora, adaptado a pessoas com mobilidade reduzida.

“É um conjunto de obras muito importante, numa estrutura já com muitos anos e que apresentava deficiências estruturais”, sublinha Mário Bruno, comandante dos Bombeiros Voluntários, acrescentando que, para a corporação se trata de “um marco histórico”.

O líder dos voluntários adianta, também, que a preocupação constante do Comando é, precisamente, “proporcionar as melhores condições aos bombeiros, para que desempenhem bem a sua função”.

Embora com uma remodelação profunda, o presidente da Direcção considera que ainda faltam, pelo menos, três grandes obras para que as condições sejam de excelência: o salão de festas e o espaço onde outrora funcionou um restaurante, que não foram intervencionados, bem como parte da cobertura que ainda é constituída por amianto.

“As coisas estão bem diferentes, com melhores condições e mais dignidade para os bombeiros que ali trabalham”, nota Joaquim Simões, contudo, “o ideal é que todo o quartel pudesse ter sido intervencionado, em particular na questão do amianto, com a qual se deveria ter tido cuidados especiais”.

O próximo passo é, de facto, a remoção dessa cobertura, contudo, “as regras são muito apertadas e também não há verba”, pelo que esperam pelo contributo “de um mecenas que possa ajudar”.

As obras de renovação tiveram um custo total de cerca de 600 000 euros, financiados em 85 por cento pelo PO SEUR, cuja candidatura não permitia intervenções em zonas não operacionais.

Secretário de Estado da Protecção Civil marca presença

O programa da comemoração do aniversário continua fiel aos anos anteriores, tendo início marcado para domingo (10), às 08h00, com o toque de sirene, ao qual se segue, pelas 09h00, o hastear da bandeira com guarda de honra.

Às 10h30 realiza-se a tradicional missa, celebrada pelo padre Celestino Ferreira, e depois a romagem aos cemitérios em memória dos elementos dos bombeiros já falecidos.

A vila, como habitualmente, recebe depois o desfile apeado e motorizado, altura em que o corpo activo pode aproximar-se da população e mostrar-lhes os meios que tem para os auxiliar em caso de necessidade.

A sessão solene vai contar com a recepção às entidades oficiais, entre as quais se destaca a presença do secretário de Estado da Protecção Civil, José Artur Neves. Durante a cerimónia há, ainda, tempo para as habituais condecorações de alguns elementos pelos anos dedicados a tão nobre missão.

Por fim, e antes do almoço-convívio, os órgãos sociais, corporação e demais convidados poderão assistir à cerimónia de inauguração do renovado quartel, bem como à bênção de uma nova viatura ligeira de combate a incêndios.

No total, a corporação conta com 27 viaturas (18 de combate a incêndios e nove de transporte de doentes e emergência hospitalar). A renovação destas últimas é, de resto, a necessidade mais premente do corpo activo, até porque “são veículos que fazem muitos quilómetros, diariamente, e por isso têm um desgaste rápido”, explica o comandante Mário Bruno, salientando que a preocupação é sempre a de “dar as melhores condições de transporte aos nossos doentes”.

Renovação de sócios é preocupação da Associação

Os cerca de 1 200 associados, muitos com quotas em atraso, vão sendo cada vez menos representativos e, como tal, a manutenção destes e angariação de novos sócios é uma preocupação constante da Direcção da AHBVA.

Actualmente, cada associado deve pagar 12 euros de quotas por ano e, na opinião do presidente Joaquim Simões, assim deve continuar. “Muitos dos nossos sócios são-no também de outras associações e colectividades do concelho, pelo que compreendemos que o dinheiro não dá para todas”, nota o presidente, justificando porque quer manter os 12 euros de quotas.

Já quanto aos novos associados, são, na maioria “de faixas etárias avançadas, porque ainda consideram que lhes prestamos um serviço importante”, explica o responsável, acrescentando que, por outro lado, os mais jovens não se interessam tanto e “muitos deles, em busca de melhores condições de vida, saem do concelho”.

É para esses que o presidente quer apontar os focos, pretendendo “passar a mensagem de que esta Associação é importantíssima pela missão que presta”. Joaquim Simões crê que “paulatinamente a mensagem chegará aos destinatários, que se farão associados”.

Outro dos objectivos, a curto prazo, passa por concentrarem esforços em manter as quotas actualizadas de quem, efectivamente, ainda é sócio.