Coimbra  17 de Abril de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Bodas de Ouro da Casa do Povo de Lavos solidária e comunitária

5 de Junho 2023 Jornal Campeão: Bodas de Ouro da Casa do Povo de Lavos solidária e comunitária

 

Para comemorar os 50 anos de existência (02-06-1973) a Casa do Povo de Lavos festejou durante três dias a efeméride, festividades que se iniciaram com uma Missa na Capela de S. João para lembrar todos aqueles que já cá não estão e que contribuíram para erguer esta Instituição desportiva, cultural, recreativa e solidária, registando-se ainda na programação das comemorações, a actuação da Tuna, Rancho Infantil e Adulto “Salineiras de Lavos”; um “Baile de Sócios” com o grupo Sanpedro, finalizando as festividades com um almoço de aniversário e actuação da Filarmónica dos Carvalhais de Lavos e do tenor Luís Pinto.

Com o salão de festas repleto, a sessão solene comemorativa do cinquentenário, que se iniciou com a Tuna a interpretar o Hino da C. P. Lavos, foi presidida por Olga Brás, em representação da Câmara Municipal, ladeada por José Duarte – presidente da Assembleia Municipal, João Santos – presidente da Assembleia de Freguesia de Lavos, José Coelho – presidente da Junta de Freguesia de Lavos, Ricardo Santos em representação da Associação das Colectividades e Paulo Craveiro – presidente da Casa do Povo de Lavos.

Nas diversas intervenções, Paulo Craveiro lembrou a sua meninice vivida na instituição “onde cresci, vivi e desfrutei”, mas também sempre foi “uma casa solidária e comunitária”. Falou do percurso da Casa do Povo que há época substituiu o então Centro Recreativo, edifício para onde têm projectado “uma unidade social” disse. Esta data proporcionou também lembrar e homenagear os onze presidentes que durante este meio século estiveram à frente dos destinos da Instituição.

A oradora da noite foi Ana Margarida Reveles, “uma filha da casa”, que explicou a todos o pulsar da vivência na Casa do Povo “que sempre foi uma fonte de inspiração para todos os jovens”. Ricardo Santos, em representação das colectividades, referiu-se às populações que podem disfrutar destes espaços são “comunidades felizes e com mais alma” e que nestas casas “ganha-se democracia”. João Santos que durante mais de duas décadas esteve à frente dos destinos da Casa do Povo, falou do orgulho enorme que foi servir esta Instituição, recordou algumas histórias e muitas deslocações aos quatro cantos do mundo com “As Salineiras de Lavos”, que receberam rasgados elogios internacionais e prémios, evocou Natércia Crisanto e o amor que ela tinha por esta casa como historiadora, concluindo que “falar de democracia, é falar da Casa do Povo de Lavos”. Usaram ainda da palavra o presidente da Junta de Freguesia de Lavos, José Coelho; o presidente da Assembleia Municipal José Duarte e finalizou a vereadora Olga Brás a dizer que a Casa do Povo de Lavos “é uma obra de autenticidade no associativismo figueirense”.