Coimbra  9 de Julho de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

BE: José Manuel Pureza quer saber se há estudo técnico sobre os Covões

15 de Junho 2020 Jornal Campeão: BE: José Manuel Pureza quer saber se há estudo técnico sobre os Covões

Vice-presidente da Assembleia da República e deputado do Bloco de Esquerda eleito pelo círculo de Coimbra, José Manuel Pureza entregou, hoje, no Parlamento, uma série de questões sobre a situação do Hospital dos Covões, dirigidas ao Ministério da Saúde.

Em conjunto com o deputado Moisés Ferreira, José Manuel Pureza questiona o Ministério da Saúde sobre todos os serviços que foram desactivados ou transferidos do Hospital dos Covões, assim como quer saber “qual o estudo técnico que justifique isso, que avalie os ganhos em saúde obtidos e que suporte a anunciada reclassificação do Serviço de Urgências”.

Para o deputado, “causa fundadas perplexidade e indignação o sucessivo encerramento de serviços do Hospital dos Covões, registada desde a sua integração no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, pelo Decreto-Lei n.º 30/2011, de 02 de Março”.

Nas especialidades de Pneumologia, Alergologia, Cardiologia, Urologia, Ortopedia, Cirurgia Geral, Cirurgia Vascular e Medicina Interna, os respectivos serviços de internamento têm, desde então, sido alvo de desqualificação e mesmo encerramento, tendo invariavelmente como contrapartida a concentração da resposta nessas valências nos Hospitais da Universidade de Coimbra”, refere, acrescentando que “tudo isso sem qualquer plano estratégico nem quaisquer estudos que justifiquem tecnicamente essas decisões da Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, tomadas ao arrepio das equipas clínicas em causa e da comunidade directamente servida pelo Hospital dos Covões”.

Segundo José Manuel Pureza, “a concretizar-se, a reclassificação ‘em baixa’ do serviço de Urgência do Hospital dos Covões, com efeitos a partir de 1 de Julho, constituirá uma decisão imensamente prejudicial para Coimbra e toda a região Centro e, mais que tudo, para os cerca de dois milhões de pessoas que beneficiam de um polo de cuidados hospitalares de qualidade internacional assente na complementaridade entre os Hospitais da Universidade e o Hospital dos Covões”.

Para o deputado do BE, esta não é uma “questão local”, porque “está em causa o aproveitamento estratégico das potencialidades de uma unidade como o Hospital dos Covões para um desenho territorialmente inteligente e justo da política nacional de oferta de cuidados hospitalares ou, ao invés, a insistência irresponsável no seu esvaziamento, em prejuízo das populações e alimentando uma híper-concentração de serviços e de profissionais nos Hospitais da Universidade de Coimbra sem ganhos de acesso e qualidade (bem pelo contrário)”.