Coimbra  27 de Janeiro de 2022 | Director: Lino Vinhal

 

BE em Coimbra quer evitar maioria do PS ou o bloco central

3 de Dezembro 2021 Jornal Campeão: BE em Coimbra quer evitar maioria do PS ou o bloco central

“A reeleição de um deputado do Bloco de Esquerda (BE) por Coimbra será a não eleição de um deputado da extrema direita, ou de mais um deputado do bloco central”, considera José Manuel Pureza, que esta sexta-feira apresentou a lista de candidatos por este distrito nas eleições legislativas de 30 de Janeiro.

Falando no café de Santa Cruz, na Baixa da cidade, o cabeça-de-lista do BE, que é deputado e vice-presidente da Assembleia da República, considerou que as pessoas de Coimbra “sabem o que significou uma voz do Bloco de Esquerda no Parlamento”, onde “foi importante para denunciar o desmantelamento do Hospital dos Covões”, ou “lutar conta uma Universidade enredada nos cantos de sereia do modelo de fundação”.

Apresentando a lista do BE pelo círculo de Coimbra, que integra oito mulheres e seis homens, renovada em relação ao sufrágio de 2019, José Manuel Pureza sustentou que o Bloco de Esquerda é a força política que se pode opor a um Serviço Nacional de Saúde que “desbarata o Hospital dos Covões, como armazém do que sobra dos HUC”, à “precarização dos jovens na ciência e na docência” e à “desvalorização acabrunhante dos agentes culturais”.

Sem esquecer esperar o reconhecimento do trabalho feito, o líder da lista de candidatos a deputados do BE refere que em termos de campanha eleitoral a atitude é “partir do zero, sem contar com votos adquiridos, conquistando voto a voto, pessoa a pessoa”. Isto para “impedir a extrema direita, a ambicionada maioria do PS, ou,se não conseguirem, a ter o PSD como parceiro de governação”.

A lista do BE pelo círculo de Coimbra é assim constituída:

José Manuel Pureza (60 anos, professor universitário),

Miguel Cardina (43 anos, historiador),

Anabela Marisa Azul (48 anos, bióloga),

Gisela Almeida (37 anos, enfermeira, de Condeixa),

Serafim Duarte (63 anos, professor do ensino secundário),

António Marinho Silva (médico),

Cristina Matos (44 anos, contabilista, da Figueira da Foz),

Mariana Garrido (25 anos, activista de direitos humanos),

João Miguel Santo (57 anos, professor do ensino secundário, da Lousã);

Maria Helena Loureiro (66 anos, professora do ensino secundário),

Isabel Ferreira (46 anos, investigadora da UC, de Cantanhede),

Alexandre Carvalho (36 anos, professor universitário),

Mónica Filipa Cação (33 anos, técnica administrativa, de Montemor-o-Velho),

Henriqueta Val-do-Rio (44 anos, professora do ensino secundário, de Miranda do Corvo).