Coimbra  22 de Maio de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Bairro da Fonte do Castanheiro em Coimbra ganha nova vida

17 de Agosto 2023 Jornal Campeão: Bairro da Fonte do Castanheiro em Coimbra ganha nova vida

O Bairro da Fonte do Castanheiro, em Coimbra, vai ter uma nova imagem com 33 habitações completamente reabilitadas.

Durante a manhã desta segunda-feira (16), a Câmara Municipal de Coimbra (CMC), através da vereadora da Habitação Social, Ana Cortez Vaz, consignou esta empreitada que foi adjudicada pelo montante de 5,1 milhões de euros (M€) (IVA incluído) à empresa M. KAIROS – Engenharia e Construção, Lda, com o prazo de execução de 630 dias (210 dias para cada uma das três fases).

Presentes na cerimónia estiveram ainda o chefe de Divisão de Edifícios Habitacionais, José Neto, o representante da firma adjudicatária, o presidente da Associação de Moradores, Fernando Coelho, que se mostrou muito sensibilizado por, finalmente, esta obra ir acontecer, e ainda o presidente da Junta de Freguesia de Santo António dos Olivais, Francisco Rodeiro.

“Este é um momento particularmente feliz”, começou por referir a vereadora Ana Cortez Vaz, mostrando-se extremamente satisfeita com a conclusão do processo. “O objectivo é requalificar o parque habitacional aqui na Fonte do Castanheiro”, adiantou, referindo que as obras vão iniciar o quanto antes.

“É um dia muito emotivo para a Associação de Moradores e para todos os moradores residentes deste bairro porque este era um sonho esperado e aguardado há muitos anos e portanto é uma alegria enorme” , referiu Fernando Coelho.

A empreitada de reabilitação de 33 habitações do Bairro da Fonte do Castanheiro, junto à Arregaça, Freguesia de Santo António dos Olivais, foi adjudicada por 5.183.400 euros (IVA incluído) à M. KAIROS – Engenharia e Construção, Lda, e prevê que a obra decorra em três fases (de forma a assegurar o alojamento rotativo dos agregados familiares), sendo que, em cada uma das fases, vão ser reabilitadas 11 habitações. Os 630 dias do prazo de execução da obra vão dividir-se em 210 dias para cada uma das fases. As obras correspondem aos lotes 7, 11, 12, 15, 27, 29, 30, 33, 41, 42, 43, 44, 47, 48, 59, 64, 66, 68, 74, 77 e 78; e aos lotes 1, 9, 10, 13, 14, 46, 51, 52, 69, 72, 75 e 76 do Bairro da Fonte do Castanheiro.

As habitações a intervencionar (do Tipo A) contemplam a demolição da habitação existente e a construção de uma nova, de tipologia T2, com 81,83 m 2 de área bruta de construção e 46,70m 2 de área de implantação. Já as habitações a intervencionar (do Tipo B) contemplam a demolição da habitação existente e a construção de uma nova, de tipologia T2, com 90,40 m2 de área bruta de construção e 48,35m 2 de área de implantação. Apesar de se tratar de uma intervenção de raiz, o facto de se estar a intervir num conjunto construído, “é determinante para o desenho final, que procura na manutenção de determinadas características morfológicas do edifício existente e de relação com o espaço público garantir a coerência formal, volumétrica e arquitectónica do conjunto, ainda que sem negar a sua contemporaneidade”, justifica a ficha técnica da obra.

Assim, as novas edificações implantam-se no lugar das existentes, mantendo as cotas de soleira e respeitando a implantação das habitações originais. O projecto foi concebido de forma a dotar as habitações das características físicas e técnicas necessárias para “permitir a utilização e o consumo eficiente de energia, com especial relevo para a utilização de energia solar passiva”; e ao nível construtivo e dos acabamentos “pretende-se obter um conjunto de soluções que garantam eficácia construtiva”. Tal como explicou a vereadora Ana Cortez Vaz, a Divisão de Habitação Social vai ainda fazer um estudo sociológico (devidamente documentado) do Bairro da Fonte do Castanheiro, de forma a preservar a história e a memória deste local característico de Coimbra.

Recorde-se que o Projecto de Arquitectura é da Divisão de Projectos de Edifícios e Equipamentos Municipais (DPEEM) e o Projecto de Especialidades divide-se entre a DPEEM, a Divisão de Edifícios Habitacionais e a PROJEDOMUS. Por sua vez, a fiscalização e a coordenação da segurança da obra é efectuada pelo Departamento de Edifícios e Equipamentos Municipais.