Coimbra  1 de Dezembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Bacalhau e seus derivados para saborear em 11 restaurantes da Figueira da Foz

20 de Novembro 2020 Jornal Campeão: Bacalhau e seus derivados para saborear em 11 restaurantes da Figueira da Foz

Os festivais de peixe de 2020, na Figueira da Foz, estão a chegar ao fim, num ano marcado por muitas dificuldades, mas a vontade de continuar a dar ânimo aos empresários levou à realização dos vários eventos, encerrando agora com o dedicado ao “Bacalhau e seus derivados”, entre sexta-feira (20) e até 29 de Novembro.

“Porque o Natal está a aproximar-se e é a quadra indicada para esta especialidade”, aderem a esta iniciativa 12 restaurantes da Figueira da Foz, sendo o preço da dose 11 euros e para duas pessoas 19, 5 euros.

Esta será “uma excelente oportunidade para provar o seu inconfundível sabor, numa época do ano em que o fiel amigo é ainda mais apreciado, pois é um prato obrigatório na ceia de Natal de todos os portugueses, mas como referiu Mário Esteves, “este evento pode ter maior êxito se apostarmos nos derivados do bacalhau”, porque “é um prato de consumo universal” enquanto os derivados (sames, línguas, caras, espinhaços, chora, caras fritas, bacalhau desfiado com cebola, bolos de bacalhau, pataniscas, línguas panadas fritas ou de vinagrete etc.), “são excelentes petiscos e nem sempre muito divulgados”, explica Mário Esteves, empresário e presidente do “Figueira Sabor a Mar”, referindo que “todos os restaurantes podem, através do bacalhau, proporcionar excelentes pratos mais substanciais desde sames com grão, bacalhau à Braz, canja ou chora de bacalhau, arroz de grelos com Bacalhau ou línguas e tantas outras variedades.

A iniciativa foi apresentada na emblemática “Casa Marquinhas”, nos Armazéns de Lavos, em Buarcos, em que esteve presente Carlos Monteiro, presidente da Câmara Municipal da Figueira; José Duarte, presidente da Assembleia Municipal e Madalena Leandro, responsável da “Casa Marquinhas”.

O empresário referiu, ainda, que este Festival é, não só uma forma de mostrar o que de bom se faz na gastronomia da Figueira da Foz, como é, também, uma homenagem a todos os pescadores do concelho dedicados à pesca do bacalhau.

Para o presidente este Festival assume uma importância ainda maior, uma vez que serve para dinamizar um sector que tem tido “penalizações enormes”. “Temos de fazer alguma coisa, não podemos parar. Com este Festival esperamos dar algum encorajamento à restauração”, afirmou.

Mário Esteves aproveitou, então, a ocasião para sensibilizar o presidente da autarquia a apoiar o tecido empresarial do concelho “nestes momentos de grande dificuldade, em que já se registam mais de 2 000 desempregados”.

Por seu lado, Carlos Monteiro garantiu que apoiará “no que for possível, mas que apoios financeiros não estão ao seu alcance”, sendo essa “uma função do Governo”.

Quanto às normas de segurança e ao facto de a obrigatoriedade dos restaurantes encerrarem pelas 13h00 no fim-de-semana, Mário Esteves garante que “as normas serão plenamente respeitadas”. “Os restaurantes vão funcionar até às 13h00, podendo haver proprietários que decidam antecipar os almoços, servindo, por exemplo, a partir das 11h00 ou 11h30. Isso ficará ao critério de cada um e não da organização do festival”, salientou o, também, proprietário do restaurante Caçarola Dois, acrescentando que “após as 13h00, as pessoas vão poder encomendas as suas refeições, pois em princípio todos os restaurantes vão disponibilizar entregas ao domicílio”.

Restaurantes aderentes:

  • Adega da Quinta
  • Biju
  • Casa Marquinhas
  • Restaurante Caçarola-1
  • Restaurante Caçarola Dois
  • Casa Mota
  • Casa dos Papagaios
  • Restaurante Dory Negro
  • Malibu Foz
  • Restaurante Trancosense
  • Pep´s
  • Tapas Bar