Coimbra  16 de Setembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Aveiro: PJ desmantela bando de roubos à mão armada

1 de Outubro 2018

Seis membros de um bando tido como presumível autor de roubos à mão armada e de tráfico de droga acabam de ser detidos pela Polícia Judiciária de Aveiro, revelou, hoje, a corporação.
Os arguidos, quatro deles postos em prisão preventiva, foram capturados mediante cumprimento de mandados de detenção emitidos pelo Ministério Público (MP).
Fora de flagrante delito, a detenção só pode ser efectuada a mando do MP se for aplicável, no caso, a medida de coacção de prisão preventiva, constata o “Campeão” mediante leitura do Código de Processo Penal.
O artigo 257º, nº. 01, b) do CPP remete para o artigo 204º., sendo que a medida de prisão preventiva, ordenável por juiz de instrução criminal, requer fuga ou perigo de fuga, risco de perturbação do inquérito e perigo de continuação da actividade delituosa, com o consequente alarme social.
Segundo o nº. 02 do artigo 257º. do CPP, uma autoridade de polícia criminal também pode ordenar a detenção fora de flagrante delito, por iniciativa própria, quando se trate de caso em que é admissível prisão preventiva, existam elementos que tornem fundado o receio de fuga ou de continuação da actividade criminosa e, dada a situação de urgência e de perigo na demora, for impossível esperar pela intervenção da autoridade judiciária.
A PJ de Aveiro indica ter procedido, ainda, à detenção, em flagrante delito, de mais duas pessoas, suspeitas de cometimento de crimes de tráfico de estupefacientes e posse de arma proibida.
No decorrer das mais de 60 buscas, efectuadas nos concelhos de Aveiro, Ílhavo, Vagos, Mira, Águeda e Coimbra, foram apreendidos haxixe e cocaína, algumas armas de fogo e diversas munições.
O grupo agora desmantelado encontra-se indiciado por dois crimes de roubo à mão armada, cometidos, na madrugada de 24 de Abril e na noite de 31 de Maio [de 2018], em residências existentes no concelho de Ílhavo, tendo os suspeitos usado de grande violência.
Coordenada pelo Departamento de Investigação Criminal de Aveiro da PJ, que contou com o apoio de inspectores de outros pontos do país e com a colaboração da GNR e da PSP, a operação revestiu-se de “significativa dimensão”, segundo a Polícia.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com