Coimbra  22 de Setembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Associação empresarial da Região de Coimbra promove refundação da extinta ACIC

8 de Setembro 2021 Jornal Campeão: Associação empresarial da Região de Coimbra promove refundação da extinta ACIC

A Associação Empresarial da Região de Coimbra (NERC) mudou o seu nome para NERC-ACIC e vai promover a refundação da antiga associação, que teve mais de 140 anos de actividade até ser declarada insolvente em 2013.

A NERC anunciou esta quarta—feira (8) a vontade de recuperar o legado da Associação Comercial e Industrial de Coimbra (ACIC), fundada em 1863, declarada insolvente em 2013 e cujo processo de insolvência foi dado como encerrado em Maio de 2019.

Numa reunião que decorreu na segunda-feira (6), a direcção aprovou a alteração do nome da NERC para NERC-ACIC – Associação Empresarial da Região de Coimbra, bem como a promoção da instalação da ACIC – Conselho Empresarial da Região, no seio da associação.

Este conselho empresarial será constituído por ex-presidentes, ex-dirigentes, empresários e ex-associados da extinta ACIC e por personalidades “relevantes do desenvolvimento associativo e empresarial da Região de Coimbra”, referiu a NERC.

Esse conselho, com um núcleo fundador composto por ex-presidentes da ACIC, irá “mobilizar as atividades para a refundação do legado da ACIC”, acrescenta.

“O que queremos é recuperar o legado e reafirmar a marca da ACIC e daí a alteração do nome”, disse o presidente da NERC, Horácio Pina Prata.

Segundo o dirigente, a médio prazo poderá ser recuperada a marca da ACIC.

Horácio Pina Prata realça que se está a falar de “um legado de 158 anos”, salientando a importância que a ACIC teve na região ao longo de mais um século.

Para além do “legado simbólico”, Pina Prata considera que esta decisão “é fundamental porque puxa pelas empresas, ainda para mais depois da pandemia”.

Questionado sobre que efeitos concretos terá esta mudança na vida das empresas, o responsável da NERC asseverou que a recuperação do legado “cria uma autoestima” junto dos empresários.

“Não há inovação se não houver tradição”, acrescentou.