Coimbra  18 de Junho de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Assassinato na Avenue: Pena máxima para homicida

30 de Maio 2018

Um indivíduo, brasileiro, que assassinou, com vários tiros, à porta de uma discoteca de Coimbra (a Avenue), um homem de origem africana foi condenado, hoje, a pena máxima (25 anos de prisão).

Sendo certo que não há razão válida para matar, “neste caso, nada há” para explicar o acto, afirmou a magistrada que presidiu a um colectivo de juízes.

O Ministério Público tinha preconizado pena máxima para o jovem Júnior Souza, 22 anos de idade.

O arguido “quis matar” Ismael Soares, disse a magistrada do MP, frisando que o atirador também quis “ofender corporalmente” a namorada da vítima mortal do incidente.

A procuradora salientou que o principal arguido do processo revelou “uma personalidade agressiva” e intenção de “causar sofrimento” ao falecido e à respectiva companheira.

A namorada do principal arguido foi punida com dois anos de cadeia e houve lugar a suspensão da execução da pena.

Acusado de autoria de um crime de faviorecimento pessoal, por ter auxiliado o arguido na fuga que ele empreendeu para Espanha e devido a cumplicidade no desaparecimento de um revólver, o padrasto de Júnior Souza foi condenado a 10 meses de reclusão, desfrutando, igualmente, de suspensão da execução da pena.

O jovem brasileiro foi capturado, em Vigo (Galiza, Espanha), volvidas duas semanas e meia sobre a data do crime (início 2017), pela Polícia Nacional de Espanha, em cumprimento de um mandado de detenção europeu, emitido pelo Ministério Público (através do DIAP de Coimbra), tendo ela contado, para o efeito, com a colaboração de elementos da Directoria do Centro da PJ que se deslocaram ao país vizinho.

O indivíduo abateu a vítima com vários disparos de arma de fogo, ao começo da manhã do dia 08 de Janeiro de 2017 (pouco antes das 08h00), quando a discoteca já tinha encerrado.

A vítima, Ismael Soares, com cerca de 30 anos, natural da Guiné-Bissau, fazia habitualmente serviço de segurança na discoteca Avenue, na avenida de Afonso Henriques, em Coimbra, no exterior do qual se verificou o tiroteio.

O arguido agiu com requintes de malvadez, segundo a acusação deduzida pelo Ministério Público.

Solteiro, desempregado, filho de uma mulher que trabalhou na indústria hoteleira, Júnior Souza possui cadastro por tráfico de droga e por uma quezília, ocorrida, em Setembro de 2013, na praça da República (Coimbra).

O indivíduo, que terá coagido um cúmplice do cometimento do crime, foi acusado de haver efectuado, pelo menos, 14 disparos na direcção de Ismael Soares.

Um segmento da peça acusatória alude a “circunstâncias que revelem especial censurabilidade ou perversidade”, porquanto o alegado assassino voltou ao local do homicídio, depois de ter feito dois disparos, e, por motivo fútil, consumou o crime com vários tiros.

Além de ter ignorado a namorada da vítima, Elida Brito, que suplicou ao arguido para não assassinar Ismael Soares, Júnior Souza ordenou a um amigo, que o conduzia de automóvel, para passar por cima do cadáver do cidadãos guineeense.

A pessoa que terá sofrido coacção para se tornar cúmplice do cometimento do homicídio manifestou desejo de procedimento criminal contra o indivíduo brasileiro.

Segundo a acusação, coube à mãe do alegado assassino e ao companheiro dela lançarem a arma do crime para o leito do rio Mondego (no segmento compreendido entre a estação ferroviária de Coimbra – A e a ponte-açude).

Os primeiros tiros ocorreram a partir de uma viatura em andamento, mas o alegado homicida fez questão de regressar ao local e efectuou novos disparos sobre a vítima (quando esta já estava em agonia).

O crime ocorreu após uma altercação no interior do estabelecimento entre a gerente da discoteca e uma cliente, namorada do indivíduo brasileiro.

Ismael Soares interveio para pôr termo à situação e expulsar a referida cliente da Avenue.

Desde a ocorrência do assassinato, as autoridades portuguesas estavam em contacto com polícias internacionais para evitar a eventual fuga do presumível homicida para o Brasil.

 

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com