Coimbra  9 de Dezembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

ARS justifica fecho de unidade de Miranda do Corvo com baixas médicas

27 de Novembro 2019

A Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC) justificou o encerramento da Unidade de Saúde Familiar de Miranda do Corvo, esta manhã, com baixas médicas dos técnicos administrativos.

“A unidade de saúde reabriu por volta das 11h00 e está a funcionar dentro da normalidade, tendo o Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Interior Norte (ACeS PIN) providenciado a colocação de três assistentes técnicos administrativos que se manterão em funções até ao regresso dos colegas”, refere um comunicado da ARSC enviado à agência Lusa.

Desde as 08h00 que a unidade esteve fechada, com uma informação afixada na porta a indicar que as consultas de enfermagem e médicas não podiam ser realizadas por faltas de assistentes técnicos, o que motivou duras críticas dos utentes.

Segundo o Movimento de Utentes do Centro de Saúde de Miranda do Corvo, o serviço de atendimento foi reaberto cerca das 12h00, com a deslocalização de dois assistentes administrativos do Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Interior Norte.

A reabertura não evitou que dezenas de utentes tenham sido privados de cuidados de saúde durante a manhã, dia de mercado em Miranda do Corvo e durante o qual os munícipes têm acesso a transportes públicos que não se realizam nos outros dias.

A acessibilidade aos cuidados de saúde “tem vindo a degradar-se, privando a população de cuidados imprescindíveis e muitas das vezes inadiáveis, e obrigando os utentes a terem de recorrer ao Serviço de Urgência do CHUC [Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra] ou entidades privadas, isto se os utentes tiverem capacidade económica”, frisou à agência Lusa José Taborda, representante do Município no Conselho da Comunidade do Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Interior Norte.

“A falta de recursos humanos já conduziu a diversas manifestações, uma vez por falta de médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e hoje devido à falta de assistentes administrativos, o que levou ao encerramento total do Centro de Saúde”, salientou o enfermeiro.

Para o profissional de enfermagem, os utentes estão “perante uma instabilidade permanente na unidade de saúde, que é péssimo para todos os intervenientes, utentes e profissionais de saúde”.

José Taborda disse, ainda, que esta situação “vai conduzir a um aumento do tempo de espera para uma consulta médica e de enfermagem”.

Numa mensagem partilhada nas redes sociais, o Movimento de Utentes do Centro de Saúde de Miranda do Corvo apela a toda a população para que esteja presente amanhã (28), “em massa” na reunião da Assembleia Municipal, a partir das 18h00, “como forma de protesto e para pressionar quem de direito”.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com