Coimbra  8 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Apresentado veículo que vai combater plantas invasoras no Baixo Mondego

18 de Março 2021 Jornal Campeão: Apresentado veículo que vai combater plantas invasoras no Baixo Mondego

A Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC) apresentou, hoje (18), em Montemor-o-Velho, o projecto de “Gestão de Plantas Invasoras Aquáticas no Território”, estando em destaque o novo veículo anfíbio.

Este é um projecto de prevenção, controlo e erradicação de espécies exóticas invasoras no território da CIM de Coimbra, como os jacintos de água e as acácias, uma problemática que afecta a biodiversidade.

Na sessão de apresentação esteve João Catarino, secretário de Estado da Conservação da Natureza; José Carlos Alexandrino, presidente da CIM-RC; José Brito, secretário executivo da CIM-RC; e os autarcas dos cinco municípios parceiros – Emílio Torrão (Montemor-o-Velho), Helena Teodósio (Cantanhede), Carlos Monteiro (Figueira da Foz), Raul Almeida (Mira) e Mário Nunes (Soure).

Segundo João Catarino, “a biodiversidade é determinante para a qualidade de vida dos ecossistemas e até dos humanos”, sendo que as plantas invasoras se instalam e “acabam por prejudicar, e acabar até com as outras espécies que fazem o equilíbrio dos ecossistemas”.

Tendo esta problemática “consequências consideráveis, principalmente no Baixo Mondego”, a CIM de Coimbra, em conjunto com os cinco municípios parceiros, “está a trabalhar no sentido de minimizar os seus impactos”, disse José Carlos Alexandrino durante a sessão.

Para isso foi adquirido o veículo anfíbio, um equipamento que faz o controlo das espécies invasoras em meio aquático e terrestre (junto a linhas de água e lagoas).

Com isto pretende-se “capacitar a região e estes cinco municípios de meios e recursos que possibilitem uma intervenção contínua, durante todo o ano, nas áreas mais afectadas por esta problemática”, afirmou o presidente da CIM-RC.

Estão previstas intervenções no rio Mondego, na Lagoa da Vela (Figueira da Foz), Barrinha de Mira, Lagoa da Salgueira (Cantanhede) e Paul da Madriz (Soure).

O projecto, financiado em 85% pelo POSEUR (Programa Operacional de Sustentabilidade e Uso dos Recursos), representa um investimento de 600 000 euros, dos quais 300 000 estão alocados à compra do veículo anfíbio.

Em 2020, ano em que se iniciaram as actividades, foram feitas acções de comunicação e sensibilização; formação de operadores; intervenções preliminares; instalação de barreiras flutuantes, como aconteceu no rio Mondego, em Montemor-o-Velho, para salvar o nenúfar amarelo; e ainda as primeiras intervenções com recurso ao veículo anfíbio.

O projecto, cujo fim das operações está previsto para Dezembro de 2021, foi realizado com o apoio da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), da Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) e a colaboração da Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC).