Coimbra  25 de Abril de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Apenas 27% das portuguesas consideram que há igualdade salarial na sua empresa

7 de Março 2024 Jornal Campeão: Apenas 27% das portuguesas consideram que há igualdade salarial na sua empresa

A propósito do Dia Internacional da Mulher, que se assinala sexta-feira (dia 8), a Mastercard realizou um estudo que avalia a relação das mulheres com as suas finanças. Os resultados são, agora, conhecidos e indicam que “apenas 27% das mulheres portuguesas acreditam que o seu local de trabalho tem políticas encorajadoras ao nível da igualdade salarial ou políticas de pensões”.

Além disso, em Portugal, “71% das mulheres procuram mais informação e orientação para as ajudar a gerir melhor as suas finanças e a maioria, 83%, dizem valorizar a transparência e honestidade quando se trata de discutir esta temática”, revela ainda a investigação. Mais de um terço, ou seja, 36%, sente que dedica menos tempo à gestão da sua vida financeira do que a outras tarefas. 33% dos homens admite viver o mesmo.

“A principal razão apontada (35%) é o facto de sentirem que não têm dinheiro suficiente para poupar ou investir em qualquer coisa, além do pagamento das despesas do dia a dia”, sublinha a Mastercard. As conclusões realçam ainda que 48% das portuguesas verificam o seu saldo bancário diariamente.

Empoderamento financeiro

O estudo “Mulheres e Finanças” quis ainda compreender a perspectiva do sexo feminino quanto ao seu empoderamento financeiro. Nesse sentido, “a maioria das mulheres portuguesas (76%) concorda com a importância de se sentirem financeiramente capacitadas e terem o controlo total do seu dinheiro”, salienta a Mastercard. Mais de metade (59%), “considera que esse empoderamento financeiro aumentou substancialmente a sua autoconfiança”. No entanto, existe ainda uma percentagem de 33% que admite que o momento actual do seu empoderamento financeiro “não é mais do que o sentimento negativo ao verificar o seu saldo bancário”.

Em relação à desigualdade salarial, “para 41% das mulheres fica muito claro que a disparidade salarial entre homens e mulheres é impeditiva da capacitação financeira”, frisa a investigação. Apenas 25% dos homens partilham desta opinião. A este propósito, a Country Manager da Mastercard em Portugal, Maria Antónia Saldanha, avança que “nos últimos anos, temos verificado avanços positivos em direcção à paridade salarial das mulheres, mas ainda há muito para ser feito. Desde logo, porque apenas uma em cada quatro mulheres se sente apoiada financeiramente no local de trabalho”.

A mesma responsável admite, por fim, que “temos, por isso, de aproveitar o Dia Internacional da Mulher para trazermos este tema para o centro das atenções, porque há uma oportunidade clara para continuarmos os nossos esforços para elevar o empoderamento financeiro das mulheres e garantir que as desigualdades no local de trabalho estão a ser corrigidas”.

O estudo “Mulheres e Finanças” foi conduzido pela Vitreous Worldwide, que recolheu dados de 12.146 consumidores em 12 países europeus. “Para garantir a consistência e permitir comparações entre homens e mulheres, houve uma divisão 50/50 entre os entrevistados do sexto masculino e feminino”, remata a Mastercard.

Cátia Barbosa (Jornalista do “Campeão” no Porto)