Coimbra  28 de Janeiro de 2023 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Ano Novo Chinês não foi o “momento tenebroso” previsto por alguma comunicação social

24 de Janeiro 2023

Após três longos anos, regressaram as deslocações dos chineses durante o Festival da Primavera, conhecidas como a maior migração do mundo. As estatísticas mostram que entre os dias 7 e 18 de janeiro, mais de 480 milhões de chineses viajaram de avião, comboio, carro e barco – um aumento de 47,1% em comparação com o mesmo período do ano passado.

Este é o primeiro Ano Novo chinês depois da China ter ajustado a sua política anti-epidémica, e a sociedade chinesa mostrou uma vitalidade sem paralelo.

Face à prosperidade da China, alguns meios de comunicação ocidentais têm vindo a fazer previsões sensacionalistas de que a China não estava preparada para o ajustamento da sua política de prevenção de epidemias e que o Festival da Primavera seria um “momento tenebroso” para a epidemia na China. Não há forma de saber de onde vêm tais previsões, mas é evidente que elas estão em desacordo com a percepção geral do povo chinês e da comunidade internacional.

Uma lógica simples: se a China não estivesse preparada, não teria acontecido que apenas 12 dias após ter baixado o nível de prevenção e controlo do coronavírus, todas as províncias do país já tenham passado o pico da contaminação.

Após a optimização das medidas contra a epidemia, a prioridade da China mudou de “controlar a propagação do vírus” para “tratamento médico”. O país promoveu uma série de acções eficazes, tais como melhorar rapidamente o sistema hierárquico de tratamento médico, reforçar a capacidade das instituições de cuidados de saúde primários, aumentar o número de camas de cuidados intensivos e o abastecimento em hospitais designados, e actualizar rapidamente o fornecimento de reagentes de detecção de antigénios e medicamentos relacionados.

O Ministério das Finanças da China também emitiu recentemente uma circular, especificando que se concentrará nas despesas necessárias para a prevenção e controlo da epidemia, de acordo com o requisito geral de “proteger a saúde e prevenir as doenças graves”.

Além disso, o governo chinês está a prestar mais atenção aos trabalhos anti-epidémicos nas zonas rurais, pois estas regiões possuem uma relativa carência de recursos médicos e recebem muitas pessoas que trabalham nas zonas urbanas.

Estas e outras disposições das autoridades chinesas reflectem o seu princípio de “o povo e a vida acima de tudo”.

Confusão, fracasso e má preparação são lições amargas de alguns países ocidentais na luta contra a pandemia. Eles não devem julgar a China segundo as suas próprias experiências.

O dia 21 foi a véspera do Ano Novo Chinês e a data da reunião familiar e alegria de todo o povo chinês. Após três anos de trabalhos árduos, o país recebeu novamente vitalidade e prosperidade.

Conteúdo Institucional – Ibéria Universal