Coimbra  18 de Setembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

ANMP: Manuel Machado defende uma efectiva regionalização

10 de Setembro 2019

O presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), Manuel Machado, defendeu, hoje, a regionalização como resultado de um processo que “deve ser negocial e esclarecedor”.

Em declarações aos jornalistas, no final de uma reunião do Conselho Directivo da ANMP, Manuel Machado afirmou que a regionalização “é manifestamente necessária para que haja um governo democrático dos territórios” que correspondem às actuais cinco regiões plano: Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve.

“Portugal, creio, é o único país da União Europeia que não tem regiões administrativas governadas democraticamente”, enfatizou, na sede da Associação, em Coimbra, para insistir na necessidade de “uma efectiva regionalização e de um modelo lógico de desenvolvimento do país”.

Neste contexto, o presidente da ANMP considerou que o relatório da Comissão Independente para a Descentralização, analisado na reunião de hoje, “é um documento muito sério, fundamentado e sustentado”.

Trata-se de “um trabalho que merece uma profunda reflexão” e a partir do qual passa a ser “altura de se abrir o processo da regionalização”.

“Não é um tabu, é um processo para a modernização da Administração Pública em Portugal”, promovendo o “exercício democrático” do poder pelos futuros governos regionais.

Para o socialista Manuel Machado, o referendo para validar esta reforma política “deve ser encarado de forma positiva, para que a regionalização se efetive”.

O também presidente da Câmara de Coimbra disse, por outro lado, que “o processo de descentralização continua em desenvolvimento”. “No entanto, não tem tido a celeridade que nós apreciaríamos”, para que a transferência de competências para as autarquias e entidades intermunicipais se concretize “na sua plenitude” até 01 de Janeiro de 2021.

Ainda nesta área, outros dos pontos discutidos na reunião do Conselho Directivo da ANMP foi o projecto de diploma sectorial sobre a futura descentralização de competências no domínio da acção social. “Importa consolidar este processo com os ajustamentos que se mostrem necessário”, segundo Manuel Machado.

A ANMP entende que “só terá condições” para emitir parecer favorável ao documento “quando e desde que o Governo clarifique as dúvidas relativas ao diploma sectorial e a cada uma das portarias que o integram”.

“Um parecer favorável ao diploma sectorial dependerá, sempre e em absoluto, de uma apreciação positiva de todas as quatro portarias que regulamentam o referido diploma”, salientou.

Manuel Machado anunciou, ainda, que o XXIV Congresso da ANMP vai realizar-se em Vila Real, nos dias 29 e 30 de Novembro.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com