Coimbra  28 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Ana Abrunhosa destaca projecto da Ciclovia do Mondego como exemplo de coesão

22 de Setembro 2020 Jornal Campeão: Ana Abrunhosa destaca projecto da Ciclovia do Mondego como exemplo de coesão

Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial, e Carlos Monteiro, presidente da Câmara da Figueira da Foz (à direita, na foto)

 

A Ciclovia do Mondego é, para a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, um exemplo de coesão e de diminuição do trânsito e da poluição em zonas urbanas.

A governante este, hoje, na Figueira da Foz, para a inauguração dos primeiros quatro quilómetros da ciclovia no concelho da Figueira da Foz, entre a estação de caminho-de-ferro e Vila Verde, considerando que “esta primeira fase é simbólica e sinal da aposta deste concelho numa mobilidade de futuro”.

Sublinhando o investimento “significativo” nesta primeira fase, que ultrapassou os 900 000 euros, a ministra da Coesão Territorial frisou a importância do projecto global, que vai ligar a Figueira da Foz a Coimbra, passando pelo concelho de Montemor-o-Velho, numa extensão de 40 quilómetros, junto ao rio Mondego.

Ana Abrunhosa realçou, ainda, o facto de o projecto “trazer o rio mais para a cidade”, lembrando que grande parte das cidades “vivia de costas voltadas para os seus rios, o que hoje não acontece”.

“Quando tivermos os três municípios ligados, teremos 40 quilómetros de caminho de Coimbra ao Atlântico, o que é algo assinalável”, sublinhou a governante, adiantando que está também a ser desenvolvida a Rota da Costa Atlântica, que envolve ainda os municípios de Cantanhede e Pombal, e o Eurovelo (rede europeia de ciclovias).

Para a ministra, trata-se de “uma aposta clara importantíssima, em primeiro lugar para quem vive e trabalha e depois para quem visita”, porque estão em causa “vias que cada vez são mais utilizadas para um certo tipo de turismo”, que importa dinamizar.

Para o presidente da Câmara da Figueira da Foz, Carlos Monteiro, estes “devem ter sido os quatro quilómetros mais difíceis, porque existiram uma série de entidades com quem foi necessário articular”.

“É nosso intento comprometer este território com a mobilidade e o bem-estar dos cidadãos e visitantes, pressuposto que requer uma estratégia desenvolvida em vários planos, seja a nível da mobilidade suave, pela integração de transportes públicos multimodais ou pela ligação completa do território com soluções amigas do ambiente”, salientou.

Segundo Jorge Brito, secretário executivo da Comunidade Intermunicipal (CIM) da Região de Coimbra, entidade gestora do projecto da Ciclovia do Mondego, está em fase de preparação de lançamento de concurso a ligação entre Vila Verde/Figueira da Foz e Coimbra.