Coimbra  3 de Agosto de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Alunos da Escola de Enfermagem de Coimbra regressam ao ensino clínico

2 de Julho 2020 Jornal Campeão: Alunos da Escola de Enfermagem de Coimbra regressam ao ensino clínico

Desde o início desta semana, 17 instituições permitiram o regresso de 169 estudantes da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) às actividades de ensino clínico, suspensas desde meados de Março deste ano (há mais de três meses), como medida de prevenção e de contenção do surto do novo coronavírus.

Esta aprovação representa 48 por cento dos 351 estudantes inscritos em ensino clínico no 3.º ano da licenciatura em Enfermagem, estando nela incluídos 30 alunos que interromperam as actividades formativas em contexto clínico, iniciadas em outras instituições nacionais e internacionais ao abrigo dos programas de mobilidade Vasco da Gama e Erasmus.

O retorno dos ensinos clínicos (em contacto directo com os utentes dos serviços), que foram interrompidos, é aguardado por 352 estudantes do 2.º ano do curso, que têm obrigatoriamente de concluir dois blocos de ensino clínico em contexto hospitalar e comunitário, e 182 do 3.º ano.

Maria do Céu Carrageta, adjunta da presidente da ESEnfC e coordenadora do Gabinete de Gestão Científico-Pedagógica dos Ensinos Clínicos (GGCPEC), afirma que apesar de todos estes estudantes do 2.º ano terem feito “parte do ensino clínico” em questão, não foi possível que “nenhum terminasse a unidade curricular”. Se as instituições de saúde e a crise pandémica o permitirem, já está prevista uma retoma para o grupo a partir de Setembro, bem como para os restantes estudantes do 3.º ano.

Para a ESEnfC, urge a necessidade de verificar “a disponibilidade das instituições que autorizaram a retoma dos ensinos clínicos e que permitem, assim, dar continuidade ao percurso académico de um conjunto de estudantes muito significativo”, de modo a evitar “um afastamento mais prolongado com os contextos clínicos, o que é benéfico para a aprendizagem”, e atenuar “a condensação de actividades no próximo ano lectivo”.