Coimbra  2 de Dezembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Águas do Centro Litoral investe mais de meio milhão na ETAR de Ílhavo

23 de Outubro 2020 Jornal Campeão: Águas do Centro Litoral investe mais de meio milhão na ETAR de Ílhavo

A Águas do Centro Litoral (AdCL) assinou, esta semana, o contrato da Empreitada de Reabilitação dos Digestores da ETAR de Ílhavo com a empresa José Marques Grácio, um investimento que ascende aos 592 000 euros.

A obra, que será fiscalizada pela empresa RIOBOCO – Serviços Gerais, Engenharia e Manutenção, tem o prazo de execução de um ano e “visa criar maior resistência aos dois digestores da estação de tratamento de águas residuais (ETAR) de Ílhavo, essenciais para a produção de energia”.

Segundo a empresa, “trata-se de uma intervenção de reabilitação do interior, com aplicação do revestimento em chapa termoplástica para protecção de betão, enquadrando-se na política da AdCL de reabilitação dos seus activos críticos em funcionamento, designadamente através da implementação de soluções duradouras e que minimizem intervenções futuras”, acrescentando que “com o tempo de utilização e, considerando as características do afluente que chega à ETAR todos os dias e que conduz a um desgaste mais intenso do que o habitual em equipamentos do mesmo tipo noutras actividades, todos os equipamentos instalados necessitam de manutenção”.

Assim, adianta a empresa estão “previstos três tipos principais: investimento em novas infraestruturas e equipamentos; investimento na requalificação e melhoria do existente; e investimento de manutenção”.

Contudo, “e após inspeção dos dois digestores da ETAR de Ílhavo verificou-se alguma degradação dos mesmos, devida à agressividade da atmosfera no interior do órgão, relacionada com elevada concentração de H2S ( gás sulfídrico) em permanência. Os dois digestores, em funcionamento desde 2002, aquando a construção da ETAR, estão na génese da produção de energia em ETAR, assumindo, assim, especial importância neste processo”.

A empresa explica que “o que acontece é um processo biológico, que ocorre nos digestores, em condições de ausência de oxigénio e a cerca de 35.º C, se dá a degradação da matéria orgânica da lama, com formação de biogás armazenado em gasómetro. Posteriormente, o biogás produzido na digestão anaeróbia, rico em metano, é queimado numa unidade de cogeração para produção de electricidade e calor. A electricidade produzida é vendida para a rede pública e o calor aproveitado para aquecimento das lamas na digestão”.

Com esta intervenção pretende-se, então, “aumentar a vida útil dos digestores da ETAR de Ílhavo e protegê-los do gás sulfídrico e de condições de PH extremamente baixos, normais neste tipo de órgãos, através da reabilitação do interior, com aplicação do revestimento em chapa termoplástica para protecção de betão”.

A ETAR de Ílhavo está preparada para receber e tratar os efluentes provenientes dos concelhos de Aveiro (parte), Cantanhede, Ílhavo, Mira e Vagos, representando 159 000 habitantes-equivalentes e cerca de 39.278 metros cúbicos por dia.

A solução de tratamento desta ETAR baseia-se “num sistema de tratamento secundário, adotando um processo de tratamento biológico com base no sistema de lamas activadas em regime de arejamento prolongado, com remoção da matéria orgânica. Através de processos físicos e biológicos, são removidos da água os detritos sólidos e a matéria orgânica dissolvida”. Posteriormente, “os subprodutos orgânicos resultantes do tratamento das águas residuais são sujeitos a tratamento, com vista à redução do seu volume e à produção de biogás e, no final do processo de tratamento, o efluente tratado é devolvido ao meio receptor (Oceano Atlântico), através do Exutor Submarino de S. Jacinto”.

Este investimento, agora consignado, “está em alinhamento com a missão e visão do negócio da AdCL, que visam, essencialmente, a preservação do meio ambiente e da saúde pública”, conclui a empresa.