Coimbra  27 de Maio de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Agrária de Coimbra lidera estudo sobre regeneração do eucalipto

23 de Abril 2019

Um projecto de investigação liderado pela Escola Superior Agrária de Coimbra e que junta mais três instituições do país vai estudar, durante três anos, a regeneração natural do eucalipto e a sua capacidade de expansão ao longo do tempo.

O projecto, intitulado “Wildgum II”, conta com 11 investigadores do Instituto Politécnico de Coimbra (onde está integrada a Agrária), da Universidade de Lisboa, da Universidade do Porto e do Centro de Investigação RAIZ (detido pela empresa de celulose Navigator), para além de contar ainda com quatro consultores internacionais na área da genética florestal, disse à agência Lusa o coordenador da investigação, Joaquim Sande Silva.

Se o primeiro projecto procurou perceber “quais os factores que favoreciam a regeneração natural do eucalipto em Portugal” em quatro escalas distintas, esta segunda iniciativa pretende “perceber exactamente qual é a dinâmica da regeneração natural”, com recurso à caracterização genética e à utilização de imagens satélite e cartografia para uma análise espacial, esclareceu.

Os dados recolhidos “permitirão produzir modelos que poderão dar uma estimativa de qual é o potencial da regeneração da espécie” em Portugal, salientou o docente da Escola Agrária de Coimbra.

“Como é que, a nível local, a espécie se comporta em termos de reprodução? De que forma é que as plantas que são originadas da planta mãe e começam a reproduzir e originam uma nova geração? Qual a velocidade de expansão dessas manchas? São perguntas difíceis de responder, porque não há trabalhos de monitorização de longo prazo feitos em locais específicos do país que permitam responder a essa questão”, afirmou Joaquim Sande Silva, referindo que a excepção é a Tapada de Mafra, o único caso documentado da expansão de eucalipto para lá dos 100 metros da árvore mãe, em que a área dominada pelo eucaliptal aumentou de quatro hectares para 64, entre 1975 e 1995.

Ao utilizar a caracterização genética das árvores, o projecto permite obter “informações inéditas sobre a estrutura genética dessa população, nomeadamente como se faz o processo de fertilização e reprodução, de onde vêm os gâmetas masculinos e femininos”, realçou.

“Esta é uma espécie que deveria ser só plantada e há características que desconhecemos completamente das plantações novas, regeneradas naturalmente”, acrescentou.

“Queremos aumentar o conhecimento para que haja uma consciência clara da regeneração natural da espécie e da sua expansão para outros locais, para depois se poderem tornar medidas a esse respeito e garantir que haja melhores práticas em termos de gestão florestal”, disse.

Para o estudo, o projecto está neste momento a identificar áreas com um longo histórico de ocupação de plantações de eucalipto isoladas em situação de abandono, procurando incidir em particular sobre áreas queimadas, visto que os incêndios potenciam a capacidade de reprodução e regeneração da espécie.

Ao mesmo tempo que avalia as origens da expansão, o projecto pretende, também, perceber o efeito das populações de eucalipto provenientes da regeneração natural nos ecossistemas adjacentes.

O projecto é financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).