Coimbra  17 de Junho de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Adiada sentença de acusado de tentar matar ex-namorada em Tábua

31 de Outubro 2018

O Tribunal de Coimbra adiou a leitura do acórdão, agendada para hoje, de um homem de 43 anos acusado de tentativa de homicídio por ter atropelado a ex-namorada no concelho de Tábua, em Setembro de 2017.

No arranque da sessão, o magistrado que preside ao colectivo de juízes, João António Ferreira, explicou que faltava o elemento de prova de quanto é que a Segurança Social pagou à vítima, durante os três meses em que não pôde trabalhar devido ao atropelamento, por forma a poder determinar a indemnização por danos patrimoniais.

Face a essa questão, determinou-se o adiamento da leitura do acórdão e a reabertura de audiência (para se debater a matéria relacionada com a Segurança Social) para 12 de Novembro, às 14h00, após a qual deverá decorrer a leitura de sentença.

O arguido é acusado pelo Ministério Público de tentativa de homicídio por ter atropelado a ex-companheira, em Setembro de 2017, poucos dias depois de a vítima ter terminado uma relação de sete meses com o indivíduo.

O homem já tinha sido anteriormente condenado por outro crime da mesma índole e pela prática de violência doméstica, em processos que diziam respeito à relação com a sua ex-mulher, com quem teve três filhos, tendo cumprido pena até Fevereiro de 2016, altura em que tinha saído em liberdade condicional.

No início do julgamento, o homem confessou ter atropelado a ex-namorada, mas afirmou que naquela manhã já tinha ingerido “algumas bebidas” e que não se tinha apercebido se tinha batido numa pessoa sequer, referindo que “até podia ter sido um caixote do lixo”.

O juiz João Ferreira questionou esta versão dos factos: “Por acaso nunca atropelei um caixote do lixo, mas acredito que se atropelasse um caixote do lixo sentia que seria diferente de uma pessoa”.

O juiz vincou que a versão que o arguido apresentou em tribunal não “batia certo” com a sua contestação, nem com as declarações no primeiro interrogatório. Face à postura do arguido, o juiz João Ferreira pediu para que fossem ouvidas as declarações prestadas no primeiro interrogatório, onde se ouve o homem a dizer que estava “muito arrependido”, após ter sido confrontado com o embate do carro contra o corpo da sua ex-companheira.

A vítima foi projectada 13 metros para a frente, na sequência do embate do veículo, sendo que o arguido abandonou imediatamente o local e pernoitou numa casa em construção, para não ser detectado.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com