Coimbra  25 de Agosto de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Académica: Morreu Vítor Campos

8 de Março 2019

Vítor Campos, antigo futebolista da Académica de Coimbra, morreu, hoje, aos 74 anos de idade, vítima de doença, disse ao “Campeão” o presidente do Núcleo de Veteranos da Briosa.

Médico, Vítor Campos tinha sofrido, em meados de 2013, um acidente vascular cerebral e, antes, perdera uma filha, vítima de cancro da mama.

O Núcleo de Veteranos do Organismo Autónomo de Futebol da AAC, presidido por Frederico Valido, homenageara Vítor Campos, por ocasião de um almoço natalício, em Dezembro de 2015.

Sócio nº. 01 do sobredito Núcleo de Veteranos, o médico era um dos símbolos da Briosa, de cuja equipa fez parte, ao longo de 13 temporadas, em 346 jogos oficiais.

Irmão de Mário Campos, Vítor foi internacional júnior, atingiu a internacionalização como sénior (A e B) e participou em nove jogos nas competições europeias (nas décadas de 60 e 70 [do século XX]), tendo sido, ainda, em duas ocasiões (1967 e 1969) finalista da Taça de Portugal.

O extinto fez parte da equipa da Académica que se sagrou vice-campeã nacional de futebol (1966 – 67).

Segundo o médico e ex-futebolista Frederico Valido, o falecido, “além de uma carreira ímpar, no panorama académico, esteve sempre disponível para dar o seu contributo à AAC”.

Vítor Campos foi membro da Direcção da Académica/OAF, havendo desempenhado um papel importante na fase da extinção da antiga Secção de Futebol da AAC e da criação do Clube Académico (CAC, que precedeu o OAF).

Em 1984, integrou a comissão responsável pela integração do CAC na Associação Académica como organismo autónomo, tendo tido uma acção preponderante, volvida uma década, na Comissão do Congresso da Académica, para cujo êxito muito contribuiu.

Na vertente médica, segundo Valido, Vítor Campos, anestesista dos HUC, foi “um exemplo de profissionalismo, competência, rigor e carácter”.

Tratou-se de um “grande homem” e de um “grande desportista”, declarou ao “Campeão” o presidente do Núcleo de Veteranos da Briosa, em cujo ponto de vista o falecido foi “expoente máximo da Académica”.

Para Mário Campos, a morte do irmão constitui “o desaparecimento de um pedaço da Académica e de Coimbra”.

“A Briosa está mais pobre, pois morreu uma das referências do que ela é e deve continuar a ser”, declarou ao “Campeão” outro antigo futebolista, José Belo, que lamenta o óbito de um “grande ser humano”.

Trata-se de uma “notícia triste” para os sócios e adeptos da Briosa e para os apreciadores do desporto-rei, conclui José Belo.

Vítor Campos era pai do ex-futebolista Rui Campos e de Maria João (secretária da Mesa da Assembleia Geral da AAC/OAF, entidade proprietária da Académica – SDUQ).

 

FOTO: Blogue Por Ti, Académica

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com