Coimbra  3 de Março de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Águas do Baixo Mondego e Gândara investe em sistema inovador de telemetria

23 de Dezembro 2020 Jornal Campeão: Águas do Baixo Mondego e Gândara investe em sistema inovador de telemetria

A ABMG – Águas do Baixo Mondego e Gândara está a investir numa tecnologia inovadora – a telemetria – que permite o acesso remoto a medições efectuadas nos sistemas sob sua gestão e a comunicação de alarmes sempre que ocorram anomalias.

Este sistema permite o conhecimento em tempo real do funcionamento dos sistemas ao nível dos caudais (captações, estações de tratamento, reservatórios e zonas de medição e controlo – ZMC), dos níveis de água nos reservatórios, das pressões em pontos de monitorização dispersos pelos sistemas e da concentração de cloro em localizações estratégicas, bem como o estado de funcionamento de órgãos de controlo, como bombas e válvulas motorizadas.

O sistema de Telemetria que a ABMG está a instalar irá abranger a globalidade dos sistemas de abastecimento de água dos concelhos de Mira, Montemor-o-Velho e Soure.

Já com uma candidatura aprovada, a empresa intermunicipal vai investir perto de 1,5 milhões de euros em obras de controlo e redução de perdas de água nas redes de distribuição. Esta operação compreende “a substituição de condutas de água, a aquisição de equipamentos de medição e monitorização de caudais, a aquisição de novos softwares para Telegestão/Telemetria e equipamentos para localização de fugas”.

Para o concelho de Mira está prevista a instalação de 21 medidores de caudal e a substituição de 2,2 quilómetros de rede, incluindo 128 ramais domiciliários.

Já para Montemor-o-Velho está prevista a instalação de 25 medidores de caudal e três válvulas redutoras de pressão.

Enquanto em Soure, a ABMG vai proceder à instalação de 77 medidores de caudal e à substituição de 5,1 quilómetros de rede, incluindo 192 ramais domiciliários.

Nos três concelhos irão ser instalados medidores de nível nos reservatórios e medidores de pressão dispersos pelos sistemas.

A ABMG apostou na instalação desta ferramenta com o objectivo de “melhorar a eficiência hídrica, energética e ambiental”, nota.