Coimbra  4 de Julho de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Figueira da Foz: Papeleira e Câmara assinam acordo de protecção civil

11 de Janeiro 2017 Jornal Campeão: Figueira da Foz: Papeleira e Câmara assinam acordo de protecção civil

A Câmara Municipal da Figueira da Foz e a papeleira do grupo The Navigator Company, antiga Soporcel, assinaram, hoje, um protocolo no âmbito da protecção civil que inclui a realização de simulacros em ambiente industrial.

O protocolo, assinado pelo presidente da Câmara Municipal, João Ataíde, e por Pedro Matos Silva, director fabril da unidade da Figueira da Foz, inclui ainda o financiamento, por parte da empresa, da aquisição de materiais necessários ao corpo de Bombeiros Municipais, até um limite de 2 500 euros anuais, e a autorização do Município para a instalação de uma infraestrutura de comunicação rádio, necessária à actividade da papeleira, no posto repetidor da serra da Boa Viagem.

Na sessão, Pedro Matos Silva disse que o acordo possibilita o desenvolvimento de estratégias internas na área da segurança e saúde e quer ver reforçada a colaboração com os Bombeiros Municipais da Figueira da Foz, no âmbito de acções de formação e exercícios de simulacro.

“Queremos reduzir e eliminar toda a sinistralidade que temos na nossa fábrica. Já temos índices que não nos envergonham, mas não estamos satisfeitos. Enquanto tivermos um acidente e mesmo que deixemos de ter, temos de estar alertas”, afirmou.

No final, questionado pelos jornalistas sobre o número de acidentes ocorridos na unidade fabril que emprega cerca de 850 pessoas, Pedro Matos Silva não revelou esses dados, adiantando apenas que papeleira tem “índices de sinistralidade que comparam muito bem com o ‘benchmarking’ da indústria”.

“O que posso dizer é que é nossa convicção e empenhamento, desde a gestão de topo até às nossas equipas, de que temos de melhorar e implementar programas que possibilitem essa melhoria. O objectivo final é zero acidentes”, alegou o director fabril.

Já sobre a infraestrutura de comunicação rádio, Pedro Matos Silva explicou que ela é necessária para as comunicações dos funcionários que gerem o abastecimento de água e fazem a monitorização dessa rede, no exterior das instalações da unidade industrial, localizada em Lavos, no sul do concelho.

“É necessário ter os meios adequados e aqueles que temos não são muito eficientes. Vai ajudar a melhorar essa comunicação” – frisou.

João Ataíde, por seu turno, salientou que o protocolo se insere na estratégia de protecção civil da Câmara da Figueira da Foz, lembrando que a autarquia possui um plano de nível municipal e conhece os factores de risco do seu território, ao nível das unidades industriais, porto comercial ou vias de comunicação, entre outras áreas.

O autarca destacou, ainda, a actividade dos Bombeiros Municipais, que considerou “um corpo com vontade, conhecimento e capacidade para prestar serviço ao nível do socorro e segurança”.